Eleições Autárquicas de 1 de Outubro de 2017

12 Out 2017

Eleições Autárquicas de 1 de Outubro de 2017
Partido da Terra consolida a sua expressão eleitoral autárquica

Findo o processo eleitoral autárquico de 2017, o MPT congratula-se pelos resultados obtidos que lhe permitem afirmar que alargou o seu círculo de influência política em relação ao ano de 2013.

Há quatro anos atrás, a Comissão Política Nacional do Partido da Terra-MPT elaborou e divulgou, pela primeira vez desde a criação do Partido em 1993, um relatório de análise dos resultados obtidos pelo MPT nas eleições autárquicas de 29 de Setembro de 2013.

Em relação ao processo eleitoral autárquico de 2017, o Partido da Terra – MPT faz novamente esse balanço.

Em 2013 o Partido da Terra-MPT concorreu a 36 autarquias locais, número nunca antes atingido e, passados quatro anos, apresentou-se a votos em 63 Concelhos diferentes, através de 22 candidaturas próprias (mais do dobro das 9 apresentadas nas eleições autárquicas de 2013), 41 coligações (contra as 27 de há quatro anos) e o apoio a duas candidaturas independentes (Porto e Ribeira Brava).

Estes números consolidam o Partido da Terra MPT como a sexta força política autárquica em número de votos absolutos (com particular destaque para Lisboa – onde passou a contar com 2 Deputados Municipais – e para o Porto – Concelho onde não possuía até agora representação e onde elegeu uma Deputada Municipal -), traduzem a aposta da Comissão Política Nacional e da Coordenação Autárquica em privilegiar o apoio a candidaturas que garantam “de facto e de direito” a representatividade local do Partido da Terra e são já reflexo da implementação de vários Polos Concelhios e Grupos de Estudo e Trabalho pelo País.

 

A – CANDIDATURAS:

  1. i) PRÓPRIAS: O MPT apresentou 22 candidaturas próprias nos seguintes concelhos: 1 – Albergaria-a-Velha (Distrito de Aveiro); 2 – Rio Tinto e Fonte Boa e Belinho e Mar (Distrito de Braga); 3 – Figueira da Foz (Distrito de Coimbra); 4 – Maia (Distrito do Porto); 5 – Bombarral (Distrito de Leiria); 6 – Pombal (Distrito de Leiria); 7 – Valongo (Distrito do Porto); 8 – Póvoa do Varzim (Distrito do Porto); 9 – Viana do Castelo (Distrito de Viana do Castelo); 10 – Ponte de Lima (Distrito de Viana do Castelo); 11 – Santiago de Caçurrães (Distrito de Mangualde); 12 – Biscoito (Região Autónoma dos Açores); 13 – Vial de Cão (Região Autónoma dos Açores);14 – Câmara de Lobos (Região Autónoma da Madeira);15 – Santa Cruz (Região Autónoma da Madeira);16 – Machico (Região Autónoma da Madeira);17 – Santana (Região Autónoma da Madeira);18 – Calheta (Região Autónoma da Madeira);19 – São Vicente (Região Autónoma da Madeira); 20 – Porto Santo (Região Autónomda Madeira); 21 – Ponta do Sol (Região Autónoma da Madeira); 22 – Porto Moniz (Região Autónoma da Madeira)

 

  1. ii) EM COLIGAÇÃO: Relativamente a coligações, o MPT apresentou-se a estas eleições autárquicas coligado em 41 concelhos, a saber: 1 – Guimarães (PSD/CDS/MPT/PPM); 2 – Mealhada (PSD/CDS/MPT/PPM); 3 – Alcoutim (PSD/CDS/MPT/PPM); 4 – Faro (PSD/CDS/MPT/PPM); 5 – Lagos (PSD/CDS/MPT/PPM); 6 – Olhão (PSD/CDS/MPT/PPM);7 – São Brás de Alportel (PSD/CDS/MPT/PPM);8 – Vila do Bispo (PSD/CDS/MPT/PPM); 9 – Penalva do Castelo (PSD/CDS/MPT/PPM); 10 – Portimão (CDS/PSD/MPT/PPM); 11 – Aljezur (PSD/CDS/MPT); 12 – Loulé (PSD/CDS/MPT/PPM); 13 – Azambuja (PSD/CDS/MPT/PPM); 14 – Vila Franca de Xira (PSD/CDS/MPT/PPM); 15 – Alpiarça (PSD/CDS/MPT/PPM); 16 – Alcanena (PSD/CDS/MPT/PPM); 17 – Chamusca (PSD/CDS/MPT/PPM); 18 – Moita (PSD/CDS/MPT/PPM); 19 – Leiria (PSD/MPT); 20 – Belmonte (PSD/MPT); 21 – Almeirim (PSD/MPT); 22 – Marinha Grande (PSD/MPT); 23 – Freixo de Espada à Cinta (CDS/MPT/PPM); 24 – Oliveira do Hospital (CDS/MPT/PPM); 25 – Évora (CDS/MPT/PPM); 26 – Mourão (CDS/MPT/PPM); 27 – Lagoa (CDS/MPT/PPM); 28 – Albufeira (CDS/MPT/PPM); 29 – Celorico da Beira (CDS/MPT/PPM); 30 – Guarda (CDS/MPT/PPM); 31 – Nazaré (CDS/MPT/PPM); 32 – Lisboa (CDS/MPT/PPM); 33 – Sines (CDS/MPT/PPM); 34 – Mafra (CDS/MPT/PPM); 35 – Monforte (CDS/MPT/PPM); 36 – Vimioso (CDS/MPT); 37 – Sabugal (CDS/MPT); 38 – Castanheira de Pera (CDS/MPT); 39 – Lourinhã (CDS/MPT); 40 – Escapães (CDS/MPT); 41 – Funchal (MPT/PPV).

No Norte, como pontos de maior relevância destacam-se Valongo, Maia, Póvoa do Varzim, Ponto de Lima, Esposende e Viana do Castelo, onde o Partido da Terra MPT conseguiu uma presença com resultados significativos.

O Partido da Terra MPT comprovou o momento de crescimento que está a viver, passando a ter palco político em várias regiões, com alcance numa área mais abrangente, com a implementação de vários Polos Concelhios com Grupos de Estudo e Trabalho de representação significativa, adivinhando-se dessa forma que os próximos 4 anos serão de trabalho autárquico muito produtivo para os ideias ecologistas e humanistas.

Deixar um comentário